segunda-feira, 4 de abril de 2011

O Surgimento do Professor


Na Pré-História, o homem tinha o domínio do fogo, das plantas e dos animais. Mas foi na Antiguidade que a Humanidade deu o grande passo para a civilização. Nessa época, surgem o Estado e a escrita.

Das primeiras civilizações que surgiram ao redor dos rios Tigre e Eufrates, e do Rio Nilo, surge também uma figura que jamais perderia sua importância a partir de então - o professor.

O Egito, uma das primeiras civilizações a surgir, é hoje um dos países mais populosos da África. A grande maioria da população, estimada em 80 milhões de habitantes, ainda vive nas margens do rio Nilo, praticamente a única área não desértica do país. O país é conhecido por sua antiga civilização e por alguns dos monumentos mais famosos do mundo, como as pirâmides de Gizé e a Grande Esfinge.

Mas há uma figura mais importante no Egito: o escriba. Também conhecido como escrivão, o escriba era aquele que na Antiguidade dominava a escrita e a usava para, a mando do regente, redigir as normas do povo daquela região ou de uma determinada religião. Mergulhemos na história para entendermos como tudo se deu e a sua contribuição social.

O surgimento do Estado advém do aumento do número de pessoas convivendo juntas, necessitando de organização para que a ordem seja mantida. Surge então uma unidade política básica, que possui prescrições jurídicas e sociais a serem seguidas, especialmente como as pessoas devem se portar em sociedade.

A escrita surge para suprir a necessidade de armazenar as informações conhecidas até então, que já eram muitas e ficavam cada vez mais complexas, não podendo mais ser guardadas apenas na memória coletiva .

Havia então a necessidade do registro dessas informações, o que ocorria através de um código que deveria ser traduzido através do entendimento dos significados que eram dados a certos símbolos - a escrita.

escrita primitiva: hieróglifos
Como a escrita é a aquisição de significados a certos símbolos, é necessário aprender-se a entender primeiramente o que eles querem dizer para depois ter a capacidade de lê-los.

Como isso não é possível que se aprenda sozinho, nasce aí a necessidade de alguém que conheça esses significados e possa transmití-los a outros - surge o professor.

Na Antiguidade Oriental, os escribas eram pessoas que dominavam a técnica da leitura e da escrita, considerado um conhecimento técnico porque era utilizado apenas para registro.

aristocracia
Nessa época, a classe mais baixa era quem aprendia a ler e escrever, pois era conhecimento técnico, enquanto a aristocracia educava seus filhos para serem bom oradores, lutadores e possuidores de bons modos.

Em certo ponto, a aristocracia percebe que está em desvantagem em algo, não partilham de um conhecimento muito útil, e passam a querer aprender a ler e escrever. Assim, os escribas se elevam ao nível de professores.

Este é então, o início da educação sistemática, onde existe um lugar determinado e regras específicas para se ensinar. 
Naquela época, presava-se e ensinava-se a educação retórica-literária (falar bem , escrever e ler) e esta era ensinada à base da violência, através da repetição e punição.

Esse método continuou até pouco tempo atrás e é de se espantar que ainda hoje a educação baseie-se em algo como a repetição e memorização. Somente nas últimas décadas começa-se a dar os primeiros passos  rumo a uma educação mais humana e focada não na técnica, mas no conhecimento.

Um comentário: